Você conhece aquela “criança hiperativa” que não quieta um minuto? Aquele garoto ou garota que parecem pequenos animaizinhos soltos? Aquele aluno que se levanta 10 vezes a cada 5 minutos e não para de falar por 1 segundo.

Tenho certeza que sim. Se não conhece, provavelmente já ouviu falar de alguém assim: “Deve ter o tal do transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH)”.

Bom, então não escreverei sobre nada misterioso aqui. É um assunto bastante discutido em escolas e universidades, por pais, educadores, profissionais da saúde e parentes.

Neste artigo cobrirei algumas dúvidas sobre esse assunto, começando com o básico:

O que é hiperatividade?

o que é criança hiperativa

De acordo com o CID 10 (Classificação Internacional de Doenças), os sinais disso são:

  1. Frequentemente agita as mãos ou os pés.
  2. Frequentemente abandona sua cadeira em sala de aula ou outras situações nas quais se espera que permaneça sentado.
  3. Frequentemente corre ou escala em demasia, em situações nas quais isto é inapropriado (em adolescentes e adultos, pode estar limitado a sensações subjetivas de inquietação).
  4. Com frequência tem dificuldade para brincar ou se envolver silenciosamente em atividades de lazer.
  5. Está frequentemente “a mil” ou muitas vezes age como se estivesse “a todo vapor”.
  6. Frequentemente fala em demasia.

E segundo o dicionário Priberam da Língua Portuguesa:

  1. Excesso de atividade.
  2. [Medicina]  Estado de atividade excessiva de um órgão.
  3. [Medicina]  Síndrome que se caracteriza sobretudo por desatenção, inquietude e impulsividade.

Claro que estou falando de maneira geral. Porque há mais elementos a serem observados do que apenas as características citadas acima.

Criança hiperativa é normal?

Quer algo mais normal que uma criança com muita energia? Claro que é normal. O problema está no uso do termo “hiperatividade”.

Ele fica correndo sozinho na hora do recreio. Não é normal correr sem motivo.

As oportunidades de gastar energia aparecem de maneira diferente para cada criança. Umas podem gastar com natação, aulas de karatê ou ballet, enquanto outras gastam na hora do recreio. Ainda tem aquelas que gastam nos dois horários!

Portanto, é normal que uma criança de 8 anos de idade, por exemplo, queira correr pela manhã, esteja ela acompanhada ou não de amigos.

Aos Pais, Cuidadores e Educadores

Uma criança agitada nem sempre é uma criança hiperativa. É necessário que se faça o teste diagnóstico, caso a agitação esteja atrapalhando o desenvolvimento dessa criança e sua vida social.

O ideal é procurar adequar os métodos de ensino às necessidades dessa criança, de uma forma que haja inclusão dela na classe, motivando a estudar. Além disso, seria bom sempre estudar sobre maneiras de lidar com uma criança, seja ela hiperativa ou apenas com muita energia. Caso contrário, como vê-se por aí, esta será excluída e rejeitada, tanto por colegas quanto por docentes, que não sabem como lidar, nem com o que estão lidando.

Essas são apenas algumas maneiras de alcançar algum sucesso, quando se trata de uma criança “desinquieta”.

Gostou do post? Compartilhe!